Sperazzo, Poetando em Fragmentos

Lego a você os fragmentos dos meus sentimentos...

Textos



          DIÁRIO     

©Antonieta Elias Manzieri



Releio as páginas amarelecidas
pelo tempo, volto ao passado.
Leio em voz alta, mas para quem leio,
sozinha neste quarto abandonado?
 
Dentro dele encontrei algumas cartas,
esquecidas pelo tempo que ficaram guardadas.
Algumas minhas, que me foram devolvidas,
outras tuas, que não foram enviadas...
 
Lá fora o silêncio é mortal, a rua está deserta,
ninguém passa na calçada, não se ouve nada,
a não ser o campanário que me alerta
a lembrar que são três da madrugada...
 
Em cada página uma lembrança,
a cada lembrança uma saudade.
Encontrei até bilhetes da minha infância,
de inocência pura, eu desconhecia a maldade.
 
Releio meu diário e a cada página virada,
meu peito se oprime, minha alma dilacera,
não por dor, nem por tristeza guardada,
mas por saber o quanto fui iludida e enganada.
 
Quarta-feira, 21 de julho de 2004.
22h 21 min.

 
 
                 RECADO 
      @Sandra Lúcia Ceccon Perazzo 
 
 
Fecho os olhos, assisto ao desfile das lembranças guardadas
em envelopes de abandono... Ah... quanta melancolia, quanta mágoa!
Leio e releio todos os teus recados quase rasgados, desbotados
pelo tempo que passou silencioso, dolorido, atroz e tão rápido...
 
Deixo tuas palavras caminharem através da minha alma...
Sinto a angústia das feridas sangrando no meu peito que hoje chora.
Meus pensamentos voam em busca dos teus lábios que se fecharam,
em busca das tuas mãos que atrofiaram... nunca mais recebi um só recado...
 
Quem dera eu pudesse voltar a vida toda no espaço
para não mais oscilar entre o sim e o não, entre o certo e o errado.
Quem dera em tempo eu tivesse lido todos os teus recados
e, sem receio, sem cisma, apaixonada, ter me atirado louca em teus braços... 
 
Quem dera tuas mãos de carícias deslizassem sobre o meu corpo, 
apagando as tuas palavras, os teus pedidos de encontro, sempre por mim adiados,
que ficaram cravados, parados no calendário dos dias que matam a vida.
Quem dera hoje eu recebesse os teus recados machucados de amor.
 
Mas agora se faz tarde, agora os caminhos morrem em mim,
 agora de nada adiantam o alarde, o arrependimento, a dor.
Só ficou mesmo esta saudade doendo, corroendo sem fim. 
Os dias de esperança vão evaporando... episódio avassalador.
 
Quem dera eu recebesse apenas um recado,
para abrandar, serenar este haste de amor...

 
(Speazzo)
        28/07/2009        
 

Arte by Simone Cz
         
  
             
Sperazzo
Enviado por Sperazzo em 26/08/2009
Alterado em 26/08/2009


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras