Sperazzo, Poetando em Fragmentos

Lego a você os fragmentos dos meus sentimentos...

Textos


Poeta Caboclo
Sandra Lúcia Ceccon Perazzo
 
Ah! Meu poeta caboclo
quanta saudade neste meu coração
que chora  lembrança
deixada na memória
 
Ah! Meu poeta caboclo
Quantas tardes ao som da viola
enquanto compunha seu verso e prosa
meu silêncio em delírio suspirava
sem nenhum murmúrio, eu toda briosa
 
Era tanta formosura e graça
que até a árvore se curvava
para ouvir sua doce fala
que a cada som suspirava
 
No meio dos troncos cobertos de flores
sentava eu ao seu lado
moça mimada da cidade
para quem entregava
seus riscos e rabiscos
cheio de orgulho e de glória
 
Ah! Poeta cabloco
 Era tanta beleza no poema pureza
que batia tanto amor no peito da gente
que nossas faces em rubros disfarces
sorriam de tamanha felicidade
 
Hoje, já não sei
onde anda o meu cabloco poeta
com seus versos e com a sua viola
pois a vida com sua volta
deixou-me apenas a voz remota
e nem ao menos uma rota...
 
09/05/2007
Sperazzo
Enviado por Sperazzo em 23/08/2007


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras